COMO VOCÊ REAGE? – Pr. João Brito Nogueira – IEBV

COMO VOCÊ REAGE? – Pr. João Brito Nogueira – IEBV

COMO VOCÊ REAGE?
 

Na vida, sempre temos lutas, dificuldades, barreiras a serem vencidas e não são poucos os obstáculos que precisamos superar em nosso “dia-a-dia”.
Todos nós temos que enfrentar problemas e somos desafiados a encarar situações que exigem de nós atitudes de coragem e ousadia.
Na realidade, o grande problema da vida, não é a somatória das dificuldades ou a quantidade de barreiras que costumam aparecer na nossa caminhada, e sim a forma como reagimos diante delas.
As tribulações que são inevitáveis no transcorrer de nossa existência fazem parte da dinâmica da vida aqui na terra. Pois o próprio Jesus declarou: “No mundo tereis aflições”… Tribulações, problemas, batalhas, barreiras, dificuldades, obstáculos, desafios, tudo isso faz parte da vida. A grande questão não é simplesmente como devemos fazer para evita-los, e sim: Como reagir diante de tudo isso?
A pergunta é: Como você reage diante dos revezes da vida?
Isto faz-me lembrar de uma história muito interessante que li recentemente e que conta uma experiência muito elucidativa quanto à forma correta de como devemos enfrentar as crises da vida.
A história trata de uma garota que vivia a se queixar da vida. Tudo lhe parecia difícil e se dizia cansada de lutar e combater. Sua atitude constante era de lamentar e murmurar diante dos problemas.
Seu pai, que era um homem sábio e também excelente cozinheiro, vendo as atitudes da filha a se lamentar, reclamar, choramingar e murmurar, resolveu convida-la certo dia, para fazer uma experiência na cozinha.
Chegando na cozinha o pai tomou três panelas, encheu-as com água e colocou cenouras em uma, ovos em outra e pó de café na terceira. Colocou as panelas no fogão, deixou que tudo fervesse, sem nada dizer.
- O que você está vendo? – Perguntou o pai
- Uma panela com cenouras, outra com ovos e outra com café – respondeu a filha.
A moça suspirou longamente, imaginando: o que é que o papai está fazendo com toda essa encenação?
Depois de tudo fervido, o pai colocou as cenouras em um prato, os ovos em uma tigela e o café em outra.
Passados alguns minutos, o pai pediu que a filha se aproximasse mais para experimentar as cenouras. Ela experimentou e notou como as cenouras estavam moles, até se desmanchando.
O pai deu um dos ovos, e a filha quebrando a casca percebeu que o ovo estava cozido e duro.
Então o pai pegou uma xícara e lhe ofereceu um pouco de café, e a filha ao provar o café sentiu o cheiro delicioso e o sabor gostoso do café.
Diante de todas estas experiências, a filha se voltou para o pai, sorriu e indagou:
- O que significa tudo isso, papai?
- É simples, minha filha. As cenouras, os ovos e o café ao enfrentarem a mesma adversidade, a água fervendo, reagiram de formas diferentes.
A cenoura entrou na água firme e inflexível. Ao ser submetida à fervura, amoleceu e se tornou frágil.
O ovo era frágil. A casca fina protegia o liquido interior. Com a água fervendo, se tornou duro.
O pó de café, por sua vez, é incomparável. Colocado na água fervente, ele mudou a água. Deu a água um cheiro delicioso e um gosto saboroso.
Voltando-se então para a filha, perguntou-lhe o pai:
- Como é você minha filha? Quando a adversidade bate a sua porta, você reage como a cenoura, o ovo ou o café?
- Você é como a cenoura? Uma pessoa forte e decidida que, com a dor e as dificuldades, se torna frágil, vulnerável e sem forças?
- Ou você é como o ovo? Delicada, maleável, casca fina, que se rompe com facilidade? Mas ao perceber as notícias do desemprego, de uma falência, da morte de um ser querido, do divórcio, você se torna dura, inflexível? Quanto mais sofre, mais obstinada fica, mais amarga se torna, encerrada em si mesma?
- Ou você é como o café? Que muda a água fervente, motivo da dor, para conseguir o máximo de seu sabor, a cem graus centigrados? Quanto mais quente a água mais gostoso se tona o café, deliciando as pessoas com seu aroma e sabor!
Se você é como o pó de café, então quando as coisas vão ficando piores, você se torna melhor e faz com que as coisas em torno de você também se tornem melhores.
E completou:
- A dor, em você, tem a possibilidade de torná-la  mais doce, gentil, com mais capacidade de entender a dor alheia. Afinal de contas, minha filha, como é que você enfrenta a adversidade?
E você meu prezado leitor, como é que você reage? Quando a adversidade bate à sua porta, você reage como a cenoura, o ovo ou o café?
 

pastor_brito

Pr. João Brito Nogueira – IEBV

Share