Geração Santa

Geração Santa

Geração Santa

“Eu vos escrevi, jovens, porque sois fortes, e a palavra de Deus está em vós, e já vencestes o maligno”. 1 João 2, 14.

Todos nós temos uma missão, um plano preparado por Deus. Mas cabe a cada um de nós a decisão de viver segundo este propósito ou não, de obedecer ou não a vontade de Deus.

Todos, sem exceção, devem buscar viver em santidade.

Mas o que significa a palavra santidade? Qual o seu sentido?
No dicionário, santidade remete à separação, integridade, pureza.
Santidade, então, significa ser separado para Deus, consagrado a Ele. Sem um coração puro, santo, não se pode viver em santidade.
E sem viver em santidade, não se pode agradar a Deus.

Nos dias atuais, falar de santidade e viver em santidade, principalmente quando se é jovem, é muito difícil e complicado.
O jovem, por natureza, anseia por liberdade. Liberdade pra fazer o que quiser, quando e onde quiser.
E muitas vezes, confunde liberdade com libertinagem.
O jovem também é impulsivo e ansioso, e a ideia de se abster de algumas vontades, de saber esperar o tempo certo soa como loucura, insensatez.
O jovem tem a necessidade de ser aceito e busca pela autoafirmação. Aceito pela sociedade, pela família e pelos amigos. E dessa necessidade de aceitação vem o desejo de agradar e ele e a todos. Mas onde está o agradar a Deus?

Muitas das vezes, nos pegamos dizendo que Deus está no controle de nossas vidas, mas decidimos o que nós achamos ser melhor.
O problema é que achamos que sabemos, mas na verdade não sabemos.
Não damos espaço pra que Deus aja e nos mostre o caminho correto.
Fazemos escolhas crendo cegamente ser a melhor. Confiamos nossas vidas em pessoas e circunstâncias como nunca nada fosse dar errado. Quantas vezes tivemos nosso julgamento equivocado? Quantas vezes nosso “sexto sentido” falhou? Quantas vezes nos surpreendemos com a verdade que achávamos saber? Quantas vezes nos decepcionamos com as pessoas?
E nessas dores, decepções, mágoas, vão se formando feridas, físicas e emocionais.
E isso não é diferente com ninguém.
Queremos agradar a nós mesmos, mas não sabemos o que é o melhor para nós.
Queremos agradar aos outros, na expectativa de que isso nos preencha de alguma forma, mas muitas vezes passamos por cima de nós mesmos e de Deus.

E nesse ciclo vicioso esquecemos que devemos agradar tão somente a Deus, pois Ele é o único que nos ama de verdade, de forma plena e abundante, e que jamais nos decepcionará.
Ele é o único que nos conhece por inteiro, por dentro e por fora, até melhor que nós mesmos, até porque foi Ele quem nos criou.
“Senhor, tu me sondaste, e me conheces. Tu sabes o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento. Cercas o meu andar, e o meu deitar; e conheces todos os meus caminhos”. Salmos 139, 1-3.
E por nos conhecer e nos amar tão intensamente, Ele só tem o melhor para nossas vidas. Para isso, basta querer conhecê-lo, servi-lo e exercitar a sua verdade.

Deus é santo, puro e incorruptível, e nós também devemos ser santos, pois Deus diz em 1 Pedro 1,16: “…Sede santos, porque eu sou santo”.
Não basta falar de santidade. É preciso vivê-la. Em todas as áreas de nossas vidas: profissional, familiar, sentimental e sexual.
Precisamos ser íntegros e justos no nosso dia-a-dia. Precisamos fazer a diferença por onde estamos e passamos. E como fazemos essa diferença? Sendo diferentes. Diferentes de tudo que vemos e ouvimos por aí. Se desejamos ser uma juventude santa, separada, não podemos agir e pensar igual à grande maioria.
Nossa forma de pensar, nosso falar, nosso agir tem de ser diferente.

E muitas vezes não são. Nos misturamos e passamos desapercebidos, como mais um no meio da multidão. E até dentro das próprias Igrejas não vemos essa diferença nos jovens cristãos. A busca pela vida santa em Deus vem sendo tão distorcida a ponto de estarmos vivenciando sua completa banalização. Principalmente nos relacionamentos. Nos namoros. Tudo se mostra como normal. Tudo é entendido como permitido, mas não o é. "Tudo me é permitido, mas nem tudo convém”. 1 Coríntios 6,12.
Somos livres em Cristo Jesus para fazermos o que quisermos, esta é a base do livre arbítrio, mas para cada ação há uma consequência. E devemos estar atentos ao que nossas ações podem repercutir.

Viver uma vida íntegra diante de Deus não é fácil, mas também não é impossível. Não estamos falando de vida sem pecado, pois todos somos pecadores, mas sim de não viver em pecado. O pecado não pode ser regra, mas sim exceção. Não pode ser aceito por nós, pois o próprio Deus nos adverte sobre isso em Romanos 12, 2: “não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que proveis qual é a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”.
Não devemos nos acostumar com o pecado, nem barganhar com ele. Não podemos querer viver o melhor dos dois mundos, pois não há acordo com Deus e o mal.

Somos parceiros do pecado, e consequentemente do mal que nele há, quando os erros que ele nos inspira contam com nossa aceitação, quando acolhemos o mal que ele nos propõe e o justificamos e aceitamos, quando o chamamos de qualquer outra coisa, menos de “mal”. Se agirmos como parceiros do pecado, estamos corrompidos!

Para isso, precisamos orar e vigiar a todo o momento, para que Deus nos oriente segundo a Sua vontade.
Pois quando conhecemos Deus em sua verdade, sentimos o seu amor e entendemos o plano que Ele tem para nós, o peso do pecado não é mais tão forte, e aquilo que abrimos mão para agradar a Deus se torna pequeno diante de tudo o que Ele tem para nos oferecer.

A busca pela santidade é constante, e nem sempre conseguimos nos manter dentro daquele propósito estabelecido por Deus. Lógico, não somos perfeitos, somos falhos. Mas isso não importa. O que importa é o desejo do coração de se desviar do mal, de tentar ser cada vez melhor por amor a Deus, de ser coerente com os princípios de Deus, mesmo que venhamos a errar.
A santidade é uma escolha, é um estilo de vida. Eu escolhi a santidade, e você?
Deus procura por jovens com um coração ardente pelo evangelho e pelas vidas, jovens que digam não para o mundo e sim para ele. Jovens verdadeiramente comprometidos que pagam o preço e buscam ao Senhor de todo o coração, que amam ter comunhão com ele e buscam sua presença acima de tudo. Jovens verdadeiramente comprometidos com o Reino e que vivam a Palavra de Deus com amor.

jovens@apazdosenhorjesus.com
 

  foto_larissa Larissa Motta – Advogada e Membro da PIBPC

Share