Por Que Muitos Estão Fracos Na Fé? – Racchel  Motta – Bacharelanda Teologia CCM –  Profa. EBD – IEBV

Por Que Muitos Estão Fracos Na Fé? – Racchel Motta – Bacharelanda Teologia CCM – Profa. EBD – IEBV

Por que muitos crentes estão fracos na fé?

Temos percebido que tem prevalecido em nossos dias, a errônea ideia de que pelo fato de já ter aceitado a Jesus Cristo e termos sido libertos pelo Seu sangue, podemos então andar do jeito que queremos sem nos preocupar em fazer a vontade Dele, sem que venhamos a ser penalizados por isso.

Puro engano de Satanás nos induzindo a essa atitude!

Em Romanos 3:23-24 entendemos que somos justificados por Jesus sim, mas se estamos fora da cobertura da Sua vontade para nós, se estamos pecando e não nos arrependendo, então a justificação não nos alcança e não se efetiva na nossa vida.

 A justificação se dá quanto ao sair do centro da Sua vontade, ao pecar, mas  logo me arrependendo, então Ele vem como advogado de defesa em nosso favor e nos justifica perante o Pai. Precisamos nos arrepender e deixar o pecado, para que Jesus Cristo se apresente como nosso advogado e tire a acusação que o nosso acusador lança sobre nós ao pecarmos.

Em Provérbios 28:13 lemos que se confessarmos nosso pecado e o deixarmos, alcançaremos então o favor do nosso advogado de defesa.

Também em I João 1: 9 vemos que Ele é fiel para cumprir Sua palavra que nos garante o perdão do pecado e a nossa purificação espiritual, quando buscamos sua justificação ao nos arrependermos.

Em I João 2:1 Ele se apresenta como nosso advogado de defesa, nosso defensor, quando pecamos e nos arrependemos.

Qual então é a condição que nos blinda de pecarmos e nos habilita a alcançarmos essa defesa? Em I João 1:6 encontramos a resposta: andar na luz! Na luz da Sua vontade, e não na nossa vontade, que vai acabar nos conduzindo ao pecado. Por que a nossa vontade é sempre pecaminosa quando se opõe à vontade Dele.

Quando damos vazão à nossa vontade, acabamos dando ouvidos aos nossos pensamentos, nossos sentimentos e emoções, nossas carências, nossas razões e nossos desejos.  Cristo nos dá liberdade de agirmos conforme nossa vontade, porque afinal temos o livre arbítrio, mas isso não nos levará a um final feliz, se essa vontade colidir com a vontade Dele, porque só a vontade Dele é boa, perfeita e agradável para nossa vida num todo.

Em Isaías 1:19-20, Deus estabelece um princípio eterno e Ele nos aconselha a seguir: “ Se quiserdes e me ouvirdes, comereis o bem desta terra, mas se recusardes e fordes rebeldes, sereis devorados à espada(…)”.

Figuradamente essa espada representa o pecado que nos aniquila e mata emocional e espiritualmente quando não queremos ou não aceitamos ouvir Seu conselho ou Sua vontade.

Não podemos andar segundo nosso próprio caminho, sem que soframos danos por isso, quer seja dano emocional, espiritual ou até mesmo físico.

Saber a vontade de Deus e não praticá-la ou não buscar saber qual é a Sua vontade para as diversas situações da nossa vida, quanto a que decisão tomar ou que escolha fazer, nos levará a incorrer em grande erro e prejuízo para nossa vida.

Erro e risco de ficarmos expostos e debilitados e sermos presa fácil do nosso acusador. Erro de ficarmos sem a proteção do nosso advogado e ficarmos totalmente vulneráveis a ataques do nosso inimigo.

Precisamos ficar atentos porque podemos eventualmente pecar e sair da vontade de Cristo, mas precisamos logo ter a consciência da situação e consertarmos o desvio da rota tomada, confessando e se arrependendo o quanto antes, para que as consequências não sejam mais desastrosas. Só assim a justificação virá sobre nós, daquele que tem pode para tal: nosso Senhor e Salvador.

Muitos crentes, não querendo abrir mão de sua vontade, estão se justificando, ao invés de se arrependerem e deixar Cristo justifica-los. Muitos estão justificando-se com razões e conceitos que estão totalmente desalinhados com a vontade divina para cada um de nós. Justificando-se com atitudes que corroboram o erro, ao invés de confessa-lo.

Sem mudança de atitudes e sem vontade de se voltar para buscar a vontade de Cristo, não haverá justificação. Sem querermos abrir mão do nosso livre arbítrio e sem querermos crucificar o nosso ego, não haverá justificação. E por consequência, não teremos paz e refrigério na nossa vida, nos levando a nos afastar da Sua presença e assim vamos ficando fracos e desanimados na fé.

O apóstolo Pedro, divinamente inspirado nos diz em Atos 3:19: ” Arrependei-vos pois e convertei-vos para que sejam apagados os vossos pecados de sorte que venham os tempos de refrigério na presença do Senhor”.

Só teremos refrigério na alma se, tantas vezes quantas se fizerem necessárias, venhamos a nos arrepender e nos converter à vontade e aos caminhos divinos que abandonamos.

Em Apocalipse 2:5 e 3:19, vemos uma chamada efetiva a uma reflexão interior que nos faça identificar aonde caímos, para depois praticarmos o arrependimento, para não sermos penalizados pelo Senhor, porque Ele mesmo diz que repreende e castiga aos seus filhos amados, visando, como um Pai amoroso, o resgate e restauração dos filhos.

Depende somente de nós querermos viver uma vida cristã com saúde espiritual e  em paz de espírito ao invés de estarmos debilitados e em conflitos. Basta andarmos na direção da vontade de quem nos ama e sabe o que é melhor para cada um de nós.

Não podemos ver além da nossa razão e das circunstancias, mas se colocarmos nas mãos de Deus a nossa vontade e fizermos exatamente como Ele nos aconselha, certamente andaremos sem tropeços e poderemos desfrutar da abundancia e da prosperidade que Cristo tem para nós em nossos dias de vida.  Amém.

Racchel  Motta – Bacharelanda Teologia CCM -  Profa. EBD – IEBV

R

 

Share